Trata-se de uma má formação uterina que dificulta o desenvolvimento do embrião e aumenta o risco de abortos espontâneos. O tratamento, chamado septoplastia é realizado por meio da histeroscopia. Uma câmara é inserida no útero e com isso é possível enxergar o septo e retirá-lo.